Alexei-Grinbaum.jpg

Ao insistir no envolvimento dos smartphones na preservação da saúde dos cidadãos, a política invade a cidade digital.

Alexei Grinbaum

Alexei Grinbaum é físico e filósofo. Depois de estudar na Universidade de São Petersburgo e na Escola Politécnica, defendeu uma tese sobre o papel da informação na teoria quântica. Desde então, explorou os fundamentos da física com interesse nas questões éticas das novas tecnologias. Atualmente é investigador do laboratório LARSIM do CEA-Saclay. Seu interesse é pelas questões éticas e sociais das novas tecnologias, em particular das nanociências e das nanotecnologias. Estuda as incertezas do progresso técnico e seu impacto na governança, na aplicação do princípio da precaução e na perceção do público sobre as inovações tecnológicas. As suas publicações também se dedicam às grandes narrativas tecnológicas e à análise da responsabilidade dos investigadores. Aplica conceitos antropológicos para compreender a função das imagens de nanoobjetos. A sua pesquisa mais recente concentra-se em questões éticas da biologia de síntese, particularmente a noção de vida num contexto ético e histórico. Foi coordenador para França do projeto “Observatório Europeu de Nanotecnologias” e contribuiu para o Kit de Ferramentas para Reflexão Ética e Comunicação sobre Nanotecnologia. É membro da Cerna da Allistene (Comissão de reflexão sobre a ética da pesquisa em ciências e tecnologias digitais). Publicou recentemente «Mécanique des étreintes» (Encre Marine, 2014) e «Les robots et le mal» (Desclée de Brouwer, 2019).